domingo, 8 de março de 2020

Arktikum Museum - Rovaniemi

Localizado em Rovaniemi na Lapônia, o Arktikum Museum é um museu e centro de ciência em um único local.

Aqui você irá conhecer e aprender uma pouco mais sobre a natureza, cultura e história do Ártico.

No site oficial você pode conferir os valores e horários de funcionamento, mas não precisa comprar com antecedência. Assim você não ficará preso com o dia, caso queira mudar seu roteiro.

Nós aproveitamos um término de um passeio no centro da cidade e pedimos que o guia nos deixasse lá.

Para quem vai caminhando da cidade fique tranquilo pois em 20 minutos você chega e é possível fazer esse percurso inclusive no inverno que foi o que fizemos na volta.

Só lembre que no inverno, alta temporada, o sol se põe por volta das 15/16h.

No verão você pode aproveitar e andar as margens do Rio Ousnajoki que possui um jardim e quem sabe ver o sol da meia noite. Ele fica atrás do museu.

Durante o inverno quem sabe dar a sorte de ver a aurora boreal?

Foi legal fazer esse passeio após passarmos o dia em várias atividades e vivenciar um pouco do frio, neve e costumes; assim podemos perceber e entender melhor certos aspectos.

O prédio tem uma aparência bem aústera, mas que combinou perfeitamente com a neve ao redor e muitas janelas grandes que dão uma cor pelas luzes de dentro.


Ele é composto de 02 pavimentos e é linear. Essa parte mais lateral que aparece na frente do lado da entrada são o café e uma sala de exposição que na época que fomos era de arte contemporânea.

Entrada simples, mas majestosa.

Seu teto é todo de vidro e arredondado o que gera uma amplitude bem legal ao ambiente.

E as salas de exposições são laterais nesse longo corredor.


O museu é pequeno e não tem "grandes" obras, é basicamente sobre o povo e a vida dessa região.

Vou mostrar alguns pontos que considerei principal.

Eles falam da evolução do vestuário.

Roupa típica da lapônia que é todo feito de pele para aguentar as baixas temperaturas.

Alguns animais para exemplificar a fauna da região.

O mais perto que chegamos de um urso polar.
Mas os animais mais famosos são as... Renas!!!!

E uma coisa que você vai encontrar na Escandinávia em geral para comer é carne de rena (reindeer) e de alce (elk).

Prato típico e caro, mas não fique surpreso que nem todo mundo gosta devido ao sabor mais forte da carne.

A caça desses animais é permitida por lei, até porque tem regiões que tem mais renas que pessoas.

Ao vivo só vimos renas, mas no final das contas como podemos diferenciar esses dois animais?

O alce é um pouco mais grotesco e sua galhada é em formato de concha (principal diferença), seu pescoço é curto e grosso e o focinho é comprido e caído. Só o macho possui chifres.

A galhada das renas é mais ramificada e diversificada, ela não segue um padrão e é o único que tanto a fêmea quanto o macho possuem chifres.

Você sabia que a galhada são ossos verdadeiros e uma única estrutura? E elas caem todo ano, sendo maiores a cada ano que nascem.

Essa galhada é usada para fazer diversos objetos que vão desde porta velas a lustres.

Então, alce ou rena? Se ficar na dúvida é só perguntar nos comentários que dou a resposta.

Também mostra um pouco de suas moradas antigas.

Durante vários passeios que fizemos tínhamos parada no meio da floresta coberta com neve onde encontrávamos tendas com fogueiras dentro que serviam para nos aquecer e fazer pequenos lanches.

A estrutura básica delas é visto abaixo, sendo de ripas de madeira cobertas ou com o couro do animal e hoje em dia com lona.


Fantástico, não? Simples, mas muito funcional.

A foto cortou o topo, mas eles sempre deixam uma abertura em círculo para que a fumaça não acumule no local.

As roupas são uma atração a parte, e logo no início do post mostrei um costume de inverno, mas uma bem característica é essa aqui.

Quem já viu Klaus, o filme. Lembra de alguma coisa?


Existe uma sala no estilo de cinema onde é apresentado um filme sobre a aurora boreal.


Mas algo bem simples que adorei e me fascinou foi o mapa abaixo.

Ele possuía cinco botões de cor diferentes que quando apertávamos aparecia uma linha ou ponto diferente. Cada um deles tem um significado.

Vou tentar explicar um pouco de cada.

Na foto abaixo temos em vermelho o Círculo Polar Ártico.

Localizado em uma latitude de 66°32´ ao norte da Linha do Equador, é considerado o limite inferior do ártico; e é uma linha divisória dos raios solares.

Durante o verão há pelo menos 1 dia em que o sol não vai embora, e no inverno  há um período em que o sol não passa do horizonte.


A linha verde abaixo é o que eles chamam de Treeline ou Timberline.

Os botânicos definem o ártico como a ausência de árvores, então essa linha define que acima dessa latitude as árvores não crescem.

Ocorre a treeless tundra, que é a vegetação típica do ártico.


A linha laranja corresponde ao Permafrost; que é o chão congelado ao longo do ano.

O permafrost ocorre em até 1/4 das áreas da Terra e a maioria está localizada no ártico.


O Polo Norte Magnético, que é um ponto variável na superfície do planeta que é para onde as linhas do campo magnético apontam.

Esse é o verdadeiro norte das bússolas.

E como você pode ver ele fica mais para o norte do Canadá.


E temos o Polo Norte Geográfico que é o ponto central ao norte relacionado ao eixo de rotação da terra.


No final do museu há uma longa parede de vidro que é uma continuação do teto.

Arquitetura e harmonia fantástica.


No inverno vemos tudo branco pelo vidro, mas no verão a visão é do rio que corre atrás.


O museu é pequeno e bem diferente do que estamos acostumados em relação a Europa, mas gera um grande ensinamento e mostra uma diversidade dessa cultura tão diferente e longe de nossa realidade.

Acho que valeu muito a pena nossa ida, e o ideal é que você o encaixe em seu tempo livre antes ou depois dos passeios que são o principal turismo do local.

O museu fica abaixo do nível da rua principal, então é necessário descer essas escadas. Cuidado com a neve pois estava escorregando muito.


Bjs e Até a Próxima Aventura, sempre Tentando Explorar o Mundo!!!!!!!!!!!!!!! 







sábado, 29 de fevereiro de 2020

Santa Claus Express - Em direção ao Polo Norte


"A leitura é a viagem de quem não pode pegar um trem."

Francis de Croisset

Quem gosta de viajar de trem?

E se o trem for leito?

E se ele lhe levar a casa do Papai Noel?

Juntamos tudo isso e escolhemos o Santa Claus Express para nos levar de Helsinki a Rovaniemi, na Lapônia finlandesa.





Por essa imagem dá para entender o porque das 12h.

São 12h de trem que separam as duas cidades que pode ser feito durante o dia, mas sinceramente não recomendo (muito tempo para uma viagem), e pode ser noturno (além de economizar uma diária de hotel, você descansa ao mesmo tempo).

Mas, porque não avião?

Queríamos a experiência do trem, foi mais barato que o avião e não queríamos perder tempo (translado até o aeroporto, check in, embarque, vôo e possibilidades de atraso).

Escolhemos a cabine com cama e banheiro privativo (com chuveiro), porém existe a possibilidade de cabine com banheiro compartilhado no vagão (sem chuveiro) e de poltrona.

A compra é totalmente on line e crianças até 12 anos não pagam, mas precisam de bilhetes, então ao comprar você tem que ligar e solicitar os tickets.

Expliquei tudo nesse post sobre a compra.

A estação de Helsinki é bem central e fomos de táxi, a plataforma aparece no letreiro 1h antes da partida e o trem chega com 30 minutos de antecedência.




Esteja com seu ticket a mão para ver o vagão e o número de sua cabine (no nosso caso). 

O trem é bem grande, então se estiver com muitas malas poderá ter que andar com elas até o final, que foi o que aconteceu conosco.


O trem é bem alto por ter 02 andares.

Nós ficamos no vagão 22;

Já aviso um inconveniente, as cabines com banheiro privativo ficam no segundo andar, a escada é estreita e são 02 lances de escada.


Malas + carrinho de criança + crianças = trabalho em dobro e chato.


Levar tudo isso para o segundo andar olhando as crianças é difícil, mas não impossível. Em Helsinki não estava nevando então tudo ficou mais fácil, mas em Rovaniemi estava. Se programe pois puxar malas na neve é mais complicado e não adianta ter 4 rodinhas quando a neve está alta e fofa.

Subir e no dia seguinte descer com tudo. Por isso, escolham um trem que o destino final seja a sua cidade destino, no nosso caso foi Rovaniemi. Assim você terá mais tempo para desembarcar e não só 05 minutos da parada normal.




O corredor é da largura de uma mala grande.





No vídeo acima vocês poderam ver como era a escada para o segundo andar.


Outro fato importante é escolher bem o horário de partida de seu trem. 


Na época existiam 02 opções: saída as 18h e saída as 23h. 

Escolhemos a segunda opção, pois é mais fácil manter criança mais tempo acordada do que acordar muito cedo e ter que vestir todo mundo e pronto para sair as 7h da manhã!!!!!

Não que as crianças estavam super tranquilas as 23h, mas pouco depois de já estarem acomodadas foram dormir e não precisei acordar ninguém e tivemos uns 30 minutos para nos organizarmos para a saída.

Muita gente pergunta sobre a segurança, já que estaremos em uma estação de trem as 23h. 

Então, achamos super tranquilo e não tivemos medo em tempo algum.

Chegamos em nossa cabine e todas são nesse modelo com bicama. Meu marido tem 1,90m de altura e não reclamou, a largura também é boa, mas estávamos em 04 para 02 camas. Então ficou no limite.

Cada cama tem seus lençois, coberta, toalhas e 01 garrafa de água. Mesmo sabendo que teria crianças não foi oferecida água a mais, nem toalhas.

Tudo bem limpo.

E as malas? Onde vão?

Com você na cabine. Duas grandes e 01 de mão conseguimos colocar embaixo da cama.

A terceira mala grande e a outra de mão, assim como as mochilas tiveram que ir no corredor da cabine. Esse espaço é bem estreito, por isso tivemos que abaixar o banco (na foto abaixo é o verde perto da janela) para ficar melhor acomodado.


Como ficou depois de tudo arrumado.
Fiz um vídeo da cabine para vocês poderem visualizar melhor.


                                               

E as crianças podem cair da cama superior?

Eles possuem essas tiras de segurança, então para crianças maiores não vejo problema, mas não deixamos a pequena ficar na ponta.

Na parede de cada cama existe uma pequena luz e ponto para carregar o celular.

Pronto para partir!!!!!


E o banheiro como é?

Bem pequeno, mas funcional. O chuveiro fica bem no alto e você tem que puxar o balcão para não molhar ele e o vaso. A questão é que o chão fica todo molhado, mas... 

Na imagem do vídeo parado você consegue perceber bem o chuveiro lá em cima. Olha a cara do meu mais velho chateado porque queria aparecer no vídeo. Eles oferecem sabonete líquido.





A viagem foi bem tranquila, não sentimos balançar nem as paradas que tiveram no meio do caminho. Dormimos bem e confortável dentro do limite por terem 02 pessoas em cada cama e criança sabe como é, se mexe toda e a toda hora.

Caso esteja indo no inverno preste atenção a roupa e calçado de chegada.

Saímos de Helsinki com 1°C e chegamos em Rovaniemi com -11°C.

Sabendo disso, leve dentro da mala de mão a roupa necessária para sua chegada e o que você precisar para tomar banho.

Nossa chegada foi mágica, pois embora já tenhamos ido para destino de neve, não foi tanta e nem vimos nevar.

A estação de Rovaniemi é bem pequena e assim que descemos do trem já estamos para na rua e estacionamento. Aqui ficam ônibus e táxis.


DICA: existe um ônibus que vai direto para o Santa Claus Village pelo valor de 8 EUR por pessoa e criança de até 05 anos não paga.

Mas, veja o preço do táxi, pois dependendo do tamanho do grupo uma minivan pode sair mais barato.


Dentro do trem existe uma vagão restaurante, mas como levamos diversos tipos de lanche e bebidas não utilizamos.

Para falar que não usamos, meu marido foi esquentar mamadeira e eles não cobraram, mas água quente era 2 EUR para quem pensa em levar cup noodles (aquele macarrão instantâneo no copo).

A volta não foi diferente, mas possui um horário de saída melhor, pois parte de Rovaniemi as 21h e chega as 09h. O trem só chegou faltando 30 minutos para a partida e só abriu para embarque faltando 20 minutos, então a correria foi maior.

Lembre - se que na neve é mais difícil carregar mala e elas ficam mais "pesadas".

E caso você ao chegar em Helsinki não fique na cidade e aproveite outro trem para um novo destino, 30 minutos de diferença está de bom tamanho.

Foi exatamente o que fizemos, chegamos as 09:15h e partimos em direção a São Petesburgo as 10h. Esse trem só apareceu no letreiro 30 minutos antes e só chegou faltando 20 minutos para a partida.

E as cabines sem banheiro? Seguem o mesmo estilo de bicama e mesmo tamanho; com exceção da cabine mais próxima ao banheiro que é um pouco maior por ser em curva, mas está literalmente na porta de entrada, então é passagem para todo mundo. Não sei se o barulho das pessoas indo ao banheiro podem incomodar.

Dei uma olhada em um banheiro desses no final da viagem e estava limpo, nada comparado a banheiro de avião em vôo de 9h na classe econômica. 

Aqui é um banheiro para uma média de 10 cabines (mais ou menos 20 pessoas).

E uma coisa muito boa é que tem Wifi gratuito e de boa qualidade pelo menos durante o percurso que estávamos acordados.

Escolheria de novo?

Depende de muitos fatores como preço, horário; mas não veria nenhum problema em repetir se fosse para organizar melhor o tempo de viagem.

Só para terem uma noção:

De Rovaniemi para São Petesburgo que foi a nossa volta; saímos as 21h de domingo - chegamos as 09:15h de segunda - partimos as 10h - chegamos em São Petesburgo as 14:30h. Pagamos o trem e economizamos 01 diária de hotel.

Se fóssemos de avião:

Partiríamos só na segunda as 09h - chegaríamos em Helsinki - partiríamos para São Petesburgo com chegada prevista para as 14h. Pagaríamos 01 diária de hotel a mais, além do vôo (não se esqueçam das malas) e chegaríamos praticamente na mesma hora, mas tendo acordado super cedo, pois teríamos que estar no aeroporto pelo menos as 07:30h.

Bom, é isso.

Espero que esse post possa lhe ajudar a planejar suas férias congelantes.


Bjs e Até a Próxima Aventura, sempre Tentando Explorar o Mundo!!!!!!!!!!!!!!! 





domingo, 16 de fevereiro de 2020

Confeitaria Colombo - Chá da Tarde

Local tradicional, clássico, antigo e ainda atual no Rio de janeiro = Confeitaria Colombo.

Já imaginou um chá da tarde lá?

Não!

Então vem comigo; mas antes:

De onde surgiu o chá da tarde ou chá das cinco?

Inglaterra!!!!

Se essa foi sua resposta, sinto lhe informar que ... ERROU!!!!!

A tradição inglesa de chá existe graças a influência de uma Rainha Portuguesa; isso mesmo, Rainha Catarina de Bragança.

Catarina, filha de D. João IV, Rei de Portugal; casou - se com Carlos II da Inglaterra. Em 1662 se mudou para lá e consigo levou louças e ervas empacotadas que tinham escrito - Transporte de Ervas Aromáticas - em suas caixas = TEA (será que é por isso que chá em inglês se escreve assim?).

A nova Rainha inglesa tinha como de costume tomar chá rotineiramente, e pensem nela como uma blogueira famosa atual; o que aconteceu? Várias pessoas começaram a se espelhar nela e imitá - la. 

Com isso e ao longo do tempo, uma tradição foi criada e espalhada por todas as classes.

É claro que nenhum inglês quer ter sua tradição como importada, então tem - se outra versão para o tradicional chá das 17h, que seria baseada na fome da Duquesa de Bedford.

Ela sentia fome no final da tarde e para enganar essa sensação a Duquesa passou a tomar uma xícara de chá junto a um pequeno lanche no século XIX; se tornando com o tempo um evento social.

Talvez a versão verdadeira seja uma mistura dos dois, mas o que importa é que você pode tomar chá a qualquer hora e em qualquer lugar.

Agora que já sabemos um pouquinho da história, vamos para o nosso, aqui no Rio de Janeiro, na Colombo (estou íntima) do Centro.



Fundada em 1894 por imigrantes portugueses no centro do Rio é hoje Patrimônio Cultural e artístico da cidade.


Através de sua decoração e arquitetura podemos ter uma ideia de como foi a Belle Époque na antiga Capital da República., tendo passado por algumas reformas, inclusive a construção do segundo andar onde acontece o chá da tarde.

Inclusive ela já foi eleita um dos mais belo cafés do mundo!!!!!

Indico sempre fazer a reserva com antecedência pelo e-mail da página oficial pois em determinados dias pode - se não achar vagas.

O chá começa impreterivelmente as 17h, quando o salão é aberto. Logo, não estranhe a fila na porta.


Tirei a foto da entrada da confeitaria quando fomos embora, pois a fila era bem grande e não conseguíamos ver a entrada direito.


Não deixe de reparar no elevador que foi instalado na reforma de 1922, o segundo da cidade!!!!


Assim como a clarabóia que veio da França com seus lindos vitrais, também entraram nessa reforma.


A criação desse andar também só ocorreu por causa do chá, pois eles precisavam de mais espaço para tanta procura por esse líquido precioso.

Realmente um belo salão.

E do segundo andar temos uma vista incrível do primeiro.


O maître sempre está apto a ajudar para as mais belas fotos do local.



Mas e o chá?

A variedade é boa, mas nada muito surpreendente. Talvez por ser a Colombo, esperava mais presença de pratos diferentes, inovações; pratos mais elaborados.

Comemos bem, não falta comida, embora muitas vezes eles substituam uma bandeja vazia por outra coisa e não pelo mesmo. Sendo assim, caso você não tivesse experimentado aquilo ainda não iria conseguir mais.


Frios e o que mais gostei foi o patê de champanhe.

O verde é uma salada de penne com molho pesto.

Mini baguete de salpicão de frango, mini brioche de relish de pepino com bacon.

Mini australiano de peito de peru e cebolinha, mini brioche de ricota com cenoura.

Entre os pães temos: ciabata de milho, pão francês com gergelim, focaccia de açafrão, pão de abóbora e minas e de tomate seco com cebola.


Esse amarelo parece bolo, mas é o pão de abóbora. Gostei muito.

Diversos tipos de salgados: bolinho de bacalhau, coxinha de galinha, pastel, croquete, pão de queijo, kibe.



Biscoitos e petit four.


Uma coisa que não gostei é da bebida não ser servida.

Eles ofereciam diversos tipos de chá na mesa, mas para água, café e sucos você se servia.

Além de criar uma confusão maior ao redor da mesa, já que tudo fica no final do salão, pelo valor e pelo local seria mais elegante que todas as bebidas, ou pelo menos os sucos, café e chá,  fossem servidos na mesa.



Na foto abaixo dá para ter uma ideia de como ficava a disposição no salão. 

Bem ao final, próximo aos banheiros, fica uma mesa em U, em sua lateral direita os sanduíches e frios, assim como mais sucos e na lateral esquerda (não aparece na foto) os doces.



A parte dos doces foi minha preferida.

Tínhamos: brigadeiro, brownie, mini pastel de nata, quindim, carolinas, creme brulée, torta de bombom, torta red velvet, torta de babá de moça, tartelete de chocolate e de limão.






Ficamos em torno de 1:30h no chá e fomos muito bem atendidos.

Caso você queira alguma coisa do cardápio que não faça parte do chá, você pode pedir e pagar a parte.





Na hora de irmos embora decidimos passar para ver o primeiro andar, só que tinha muita, mas muita gente!!!



Avise ao garçom que controla a entrada que o intuito é conhecer que ele deixa você passar.


Repare nas bancadas e nos armários todos em madeira de Jacarandá, assim como nas molduras dos espelhos do salão.


Não é barato e como disse antes esperava um pouco mais pelo local.

Acredito que se fosse ambientado com música ficaria ainda mais charmoso; e não estou falando de um chá musical e sim em ambientação.

Mas foi uma ótima experiência com boa gastronomia em um local histórico.

Lembre - se de ir de táxi ou transporte público, não tem como parar o carro perto.

Caso você queira ver outras postagens sobre chá da tarde, basta clicar aqui.

Espero que você tenha se deliciado com esse post.

Como sempre falo: #nadadedietaemviagem



Bjs e Até a Próxima Aventura, sempre Tentando Explorar o Mundo!!!!!!!!!!!!!!!